Segunda, 28 de Setembro de 2020 06:07
63 98500-8112
Geral IMPASSE

Policiais Penais debatem paralisação que podem ser iniciada no dia primeiro de julho

Essa atitude gerou indignação na classe que marcou uma videoconferência para o dia primeiro de julho às 19 horas, quando será debatido a resposta da classe à negativa do Governo a pagar os diretores trabalhistas desses profissionais.

29/06/2020 12h24
1.703
Por: Alessandro Ferreira Fonte: Assessoria / PROSISPEN

Os Agentes de Execução Penal (Policiais Penais do Tocantins) travam uma demanda salarial com o Governo desde que tomaram posse há três anos, pois o Governo do Estado sempre se negou a pagar direitos previstos em estatuto como adicional noturno, horas extras e periculosidade. Para mediar o conflito, os servidores procuraram o judiciário que já deu ganho de causa a alguns deles, mesmo assim o Governo realiza manobras para não pagar. Essa atitude gerou indignação na classe que marcou uma vídeo conferência para o dia primeiro de julho às 19 horas, quando será debatido a resposta da classe à negativa do Governo a pagar os diretores trabalhistas desses profissionais.

O presidente da Associação dos Profissionais do Sistema do Tocantins - PROSISPEN/TO, Wilton Angilis, afirma que o Governo do Estado ao invés de resolver o problema, ameaça os servidores. "O que se ouve pelos corredores da secretaria,  são promessas de 'cortar cabeças' retaliar quem fizer movimentação reivindicatória de direitos trabalhistas, não se ouve uma proposta concreta.  Se essas promessas se configurar como verdade, chegamos ao cúmulo do absurdo. É o Governo dever, o judiciário reconhecer que realmente existe essa dívida, o Governo não pagar e ainda retaliar quem cobrar", disse.

Apesar das dificuldades impostas pelo Estado, Angilis ainda apresenta otimismo. "Ainda acredito em uma solução pacífica. O secretário Héber Fidelis chegou à secretaria como alguém oriundo da área dos direitos humanos, em apenas dois anos, não  acredito que ele tenha mudado tanto ao ponto de deixar sua biografia se envolver em uma 'caça as bruxas', em decapitações, em retaliações de servidores que têm direito legítimo ao que pedem", desabafou.

Operação Legalidade

Muitos Policiais Penais que vão participar da reunião pedem greve ou paralisação total, mas Angilis não acredita nessa possibilidade. "Nós, por sermos policiais, não podemos fazer greve. Porém, como o Governo insiste em não nos pagar aquilo que a lei prevê que recebamos, podemos nos recusar a fazer qualquer coisa que não esteja coberto pela legislação e também que não garanta a nossa plena segurança até que cheguemos a um senso comum e resolvamos nossa demanda. De qualquer forma,  a PROSISPEN irá apoiar a classe, dentro da legalidade e de suas condições, na decisão que tomar", finalizou .

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Palmas - TO
Atualizado às 05h58 - Fonte: Climatempo
24°
Poucas nuvens

Mín. 24° Máx. 38°

24° Sensação
12.2 km/h Vento
35.5% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (29/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 24° Máx. 39°

Sol com algumas nuvens
Quarta (30/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 37°

Sol com algumas nuvens