Sexta, 22 de fevereiro de 2019
63 98500 8112
Especiais

19/11/2018 às 20h48 - atualizada em 19/11/2018 às 21h00

1.197

Alessandro Ferreira | Redação

PALMAS / TO

Dia da Bandeira é comemorado por unidades militares no Tocantins
Excepcionalmente, no dia 19 de novembro o hasteamento ocorre em cerimônia especial às 12 horas, que inclusive contempla a incineração de bandeiras que estejam em más condições.
Dia da Bandeira é comemorado por unidades militares no Tocantins

Nesta data, dia 19 de novembro, comemora-se o Dia da Bandeira, um elemento simbólico da identidade brasileira, também conhecida como Pavilhão Nacional. As unidades militares hasteiam e arriam a Bandeira Nacional normalmente às 08 e 18 horas.


Excepcionalmente, no dia 19 de novembro o hasteamento ocorre em cerimônia especial às 12 horas, que inclusive contempla a incineração de bandeiras que estejam em más condições. 


Para comemorar a data festiva, o 1º, 2º, 4º e 9º Batalhão da Polícia Militar (Palmas, Araguaína, Gurupi e Araguatins) e o Colégio da PM, Unidade II (Ensino Médio), localizado em Palmas, realizaram uma solenidade às 12 horas.  Na ocasião, os alunos do Colégio da PM em Araguatins participaram da solenidade que aconteceu na sede do 9º Batalhão. 


O Dia da Bandeira foi instituído em 1889, após a Proclamação da República que aclamou os símbolos nacionais: a Bandeira, o Hino Nacional, o Selo Nacional e as Armas Nacionais, que são objetos de estudo no ensino fundamental. Tais símbolos agregam o patriotismo e o sentimento de pertencimento à nação.


 


A maior Bandeira Nacional se encontra hasteada na Praça dos Três Poderes, no Distrito Federal, com 286 metros quadrados e peso de 90 quilos. 


1º BPM 


No quartel do 1º Batalhão em Palmas, o major Ivaneis, o oficial mais antigo e o subtenente Werlen, a praça mais antiga, hastearam o Pavilhão Nacional e a bandeira do Tocantins respectivamente.


 


Posteriormente o Capitão Jair conduziu à Pira, as bandeiras a serem incineradas no ato, as quais foram queimadas pelo subtenente Werlen. Durante a incineração, foi executado o Hino à Bandeira, letra de Olavo Bilac e música de Francisco Braga. 


Ao final da solenidade, o major Leandro Guimarães Nunes, Comandante do 1° BPM, fez uso da palavra e relembrou o potencial de crescimento do nosso país, bem como inspirou a tropa acerca da importância de lutar pela pátria. 


2º BPM 


Em Araguaína, a cerimônia aconteceu no pátio do quartel do 2º Batalhão de Polícia Militar, onde a Bandeira Nacional recebeu dos policiais militares o devido culto cívico. O tenente-coronel João Márcio Costa Miranda, comandante do 2º BPM foi a autoridade máxima que prestigiou a solenidade, coordenando pessoalmente todo o desenvolvimento das honras militares. 


Foi realizado o hasteamento do Pavilhão Nacional, a leitura de um histórico em homenagem a Bandeira Nacional e a incineração de um exemplar da bandeira já bastante gasto e danificado pelo uso. O subtenente Cláudio Barros de Brito, policial militar com maior tempo de serviço na Unidade Militar e no excepcional comportamento teve o privilégio de realizar a incineração. 


“Me senti imensamente honrado por ter recebido essa ilustre missão, tão nobre, que exalta o respeito, consideração e amor à Bandeira da nossa Nação”. Disse subtenente Cláudio, muito honrado por ter participado diretamente da homenagem à Bandeira Nacional. O tenente-coronel Miranda ressaltou a importância de se manter a devida reverência, respeito e carinho ao símbolo máximo da Nação. “Sempre manteremos acesa a chama de respeito e reverência cívica a nossa Bandeira”, concluiu o comandante. 


9º BPM 


Na cidade de Araguatins, o comandante do 9º Batalhão da PM, major Weslley Dias Costa, realizou a cerimônia de incineração da Bandeira. O evento foi no pátio do quartel. A solenidade contou com a presença do diretor do Colégio da Polícia Militar (CPM) Unidade VI, major Márcio Cardoso Almeida, acompanhado de alguns alunos. 


Na solenidade de incineração da Bandeira, os militares do Batalhão e os alunos do CPM tomaram posição de reverência e respeito. Foi realizado o hasteamento do Pavilhão Nacional e em seguida a cerimônia de incineração. A solenidade militar foi comandada pelo major Weslley Dias. 


Ao final da cerimônia, o Comandante do 9º BPM, major Weslley Dias, agradeceu a presença de todos e destacou a importância do evento para o militarismo, bem como, o motivo da incineração e as formalidades exigidas para o ato. Major Weslley finalizou destacando sobre questões relativas ao patriotismo e respeito aos símbolos nacionais. 


BPChoque 


No quartel do Batalhão de Polícia de Choque da PM, em Palmas, o comandante da unidade, major Adão Pereira e o subtenente Geraldo, o oficial e praça mais antigo da unidade, respectivamente, hastearam o Pavilhão Nacional e a bandeira do Tocantins ao meio dia. 


Posteriormente o Sargento Irisberto conduziu à Pira, as bandeiras a serem incineradas no ato, de acordo com a previsão legal para o Dia da bandeira. Após o momento solene, as bandeiras inservíveis foram queimadas pelo subtenente Graldo. Foi executado o Hino à Bandeira, durante a queima das bandeiras inservíveis. 


O Comandante da Unidade enalteceu os valores cívico-militares e destacou a importância de se preservarem as solenidades, como forma de perpetuar as tradições históricas e casernais. 


2ª CIPM 


Na cidade de Dianópolis, sede da 2ª Companhia Independente da Polícia Militar, o major Cavalcante, o capitão Ielison e o tenente Aílton procederam o hasteamento do Pavilhão Nacional e demais bandeiras, sob o cântico do Hino Nacional Brasileiro. Em seguida, o tenente Abreu procedeu com uma mensagem sobre a data comemorativa, relembrando particularidades do maior Símbolo Nacional. 


O sargento Araújo, praça mais antiga da Unidade presente na solenidade procedeu a incineração das bandeiras na Pira. Durante a incineração, a tropa da 2ª CIPM entoou o cântico do Hino à Bandeira. 


Ao término da solenidade o major Denyure de Menezes Cavalcante, comandante da 2ª CIPM, fez uso da palavra e ressaltou a importância  do resgate ao culto das tradições e valores nacionais como pressuposto para consolidação da Nação. 


CPM 


O Colégio da Polícia Militar do Estado do Tocantins – Unidade II (ensino médio) em Palmas também realizou a Solenidade em homenagem ao Dia da Bandeira.O momento foi organizado e promovido pela Coordenação Disciplinar da Unidade Escolar e contou com a participação do subdiretor capitão Vitor Oliveira Santos Rocha Teles, da capitã Joseline Rios Ferreira, coordenadora pedagógica, da tenente Louise Martins Alcanfor, coordenadora disciplinar e do subtenente Denny Souto Ribeiro, chefe do corpo de alunos, além de professores, demais servidores do colégio e alunos.Após a apresentação do CPMTO-Unidade II feita pelo aluno CPM Fiscal William Lopes, turma 34.04 ao senhor subdiretor, coube ao subtenente Hilton José Ribeiro Coelho realizar a incineração da Bandeira Nacional inservível, em respeito ao Art. 32 da lei nº 5.700, de 1º de setembro de 1971.


O momento foi realizado sob os acordes da Banda de Música do CPMTO-Unidade II, regido pelo Maestro e Instrutor subtenente Nivacy Alves Marçal.


 


Veja mais notícias da região no Agência Tocantins

Clique nas imagens abaixo para ampliar:
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
RAPIDINHAS
Postada em 20/02/2019 ás 17h47

UM DESASTRE IMINENTE EM PALMAS

Após a ocorrência de um desastre, seja ele causado pelas forças da natureza ou pela ação humana, sempre aparecem colunistas, especialistas e formadores de opinião pra dizer que a tragédia já dava sinais de acontecer e que poderia ter sido evitada. Todavia, esses formadores de opinião dificilmente alertam a população antes do fato. A própria população afetada é que denuncia o descaso com os riscos, sendo ignorada na maioria das vezes.

Foi assim nos rompimentos das barragens em Minas Gerais, como também nos casos dos deslizamentos de terra, no incêndio do alojamento do Flamengo e em tantos outros desastres que ocorreram no Brasil.

E em Palmas a história se repete, pois está em curso um outro tipo de desastre e esses formadores de opinião mais uma vez dão de ombros frente ao óbvio, mesmo vendo as pessoas emitirem o alerta todos os dias nas redes sociais, nas entrevistas de de TV e em suas reclamações nos bairros e nas ruas.

É o desastre chamado gestão Cinthia Ribeiro. Sim, uma gestão incompetente à frente de uma Capital com 300 mil habitantes pode prejudicar a população muito mais que um incêndio em um prédio ou um desastre natural.

O cenário da capital é de abandono em meio ao matagal nos bairros, as ruas esburacadas, os serviços públicos com queda de qualidade e a saúde jogada às traças, onde o único morador confortável na cidade responde por Aedes Aegypti.

E nessa marcha Cinthia Ribeiro que já é considerada no meio político a pessoa mais ingrata e infiel ao seu partido da história do Tocantins, perdendo inclusive, em materia de traição para Marcelo Miranda, pois este já havia sido eleito pelo voto popular quando empinou a carroça contra Siqueira Campos, agora caminha pra ser a pior gestora que a população de Palmas já conheceu.

Desafortunadamente, os prejuízos materiais e os danos humanos já começaram ser contabilizados e podem evoluir para consequências irreparáveis devido à mà gestão.

Enquanto isso, aqueles colunistas, especialistas e formadores de opinião se calam de 30 mil formas diferentes, invocando até questões de gênero para defender a gestora que pagou com traição a quem lhe deu a mão e está arrasando com a Cidade.

Dessa forma, a Capital antes chamada de “Sua Linda”, levará um tempo depois de 2020 para recuperar sua autoestima e superar o desastre Cinthia Ribeiro.

 

Por Iranilto Sales

Postada em 27/01/2019 ás 01h28

Sobre o caso dos vereadores. Não quero entrar na questão de culpa ou inocência, até porque não cabe a mim esse julgamento, jogar pedra em quem está caído é muito fácil, e se tratando de amigos, um ato de covardia.

Vi no dia de ontem uma enxurrada de xingamentos contra eles, até de pessoas que já foram ajudadas por algum deles; deixo claro, não estou fazendo uma defesa dos supostos atos cometidos, mas quero exaltar o valor empatia, já pensou se fosse um de nós no lugar deles? Já pensou nossa família sofrendo com seu ente querido preso e ainda tendo de suportar essa enxurrada de xingamentos? Vou repetir o que falei acima: jogar pedra em quem está caído é fácil, e se tratando de um amigo, um ato de covardia.

A exposição de suas prisões trouxe sofrimento não só à eles que agora têm que ficar em uma cela de prisão, mas também aos seus familiares. Eles não mereciam passar pelo que passaram, apesar dos pesares, e antes de lançarmos um juízo de valor sobre o caso devemos saber que até agora eles são inocentes até que se prove o contrário, ainda não há um julgamento das autoridades competentes, eles são suspeitos? Sim, mas essa suspeita não nos dar o direito de condená-los. Esse senso de justiça desmedido e irracional não cabe, ou não deveria caber, em nossos dias.

Fica aqui minha solidariedade aos amigos: Antônio Feitosa, Antônio Barbosa, Antônio Queiroz, Ângela do Rapadura, Marcos da Igreja, Luizinha do Itamar, Neguin da Civil, Nildo Lopes, Ozeas Gomes e Vaguin.

 

Keops Mota

Postada em 17/01/2019 ás 15h53

A pergunta que se faz na capital é: quem é mesmo o governador do Tocantins?. Com o protagonismo exacerbado de Wanderlei Barbosa, Mauro Carlesse foi jogado ao ostracismo, lembrado apenas quando ocorre as  inúmeras trapalhadas do governo, onde o povo cai em cima dele com todo tipo de adjetivos, quando, na verdade, o governador de fato é Wanderlei Barbosa. Carlesse é o dono da caneta, mas só escreve o que é ditado por Wanderlei.

Keops Mota

Postada em 31/12/2018 ás 16h00

019 está chegando, e com ele vem também a incerteza de um governo que começou errado (pau que nasce torto nunca se endireita, já disse "cumpade" Washington) com tentativas de obstrução de justiça, aparelhamentos, escândalos e investigações, o que pode tirar do tocantinense a esperança de um ano feliz.

O cenário que se desenha com o governo carlesse é tenebroso, nada auspicioso. Podemos estar entrando (Deus permita que não) no pior momento de nossa história. O viés autoritário desse governo pode se elevar à níveis assustadores. Não tenha isso como um escrito de quem torce pelo pior, mas de um tocantinense preocupado com o futuro. Deus nos proteja.

Postada em 23/12/2018 ás 00h49

O Natal está chegando, e que com ele também venham a união, a paz, a alegria e o gozo de estarmos reunidos com nossa família comemorando o nascimento do maior homem da história: Cristo. Que cada pessoa  deixar brotar em seu coração a semente da paz, plantada pelo ilustre aniversariante. Boas festas. São os votos de: 

 

Keops Mota/Corespondente Agência Tocantins

Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados - Agência Tocantins - Contatos: (63) 98500-8112 – Email: [email protected]