domingo, 17 de fevereiro de 2019
63 98500 8112
Educação

08/01/2019 às 15h14

207

Alessandro Ferreira | Redação

PALMAS / TO

Escritor tocantinense prepara roteiro de visitas às escolas estaduais
As unidades escolares interessadas em contar com a presença do escritor devem solicitar o agendamento pelo Whatsapp (63) 99204 – 1566.
Escritor tocantinense prepara roteiro de visitas às escolas estaduais
Escritor Pedro Albeirice - Foto: divulgação

O escritor Pedro Albeirice da Rocha, doutor em Teoria Literária e professor da Universidade Federal do Tocantins, desenvolve no Estado um projeto de visitar escolas públicas estaduais e promover palestras com alunos sobre leituras da vida. A proposta de Pedro Albeirice é reservar um dia da semana para realizar atividades voluntárias que promovam o conhecimento, a consciência crítica e a promoção da leitura e da escrita. As unidades escolares interessadas em contar com a presença do escritor devem solicitar o agendamento pelo Whatsapp (63) 99204 – 1566.


O projeto realizado nas escolas é direcionado a alunos a partir do 8º ano do ensino fundamental, até o final do ensino médio. E as palestras, que incluem um tempo para questionamentos, têm como tema Ler os livros, ler as pessoas, ler o mundo, e têm como foco a motivação. “Mostramos que se todos os estudantes se dedicarem aos estudos poderão vencer na vida, serem aprovados para qualquer curso superior ou obter melhores empregos”, frisou. Essas atividades realizadas nas escolas não implicam cobrança de honorários, por parte do professor.


Atualmente, Pedro Albeirice reside em Araguaína. Ele nasceu em Volta Redonda, Rio de Janeiro, e reside no Tocantins desde 2004. Foi em agosto de 2018 que ele iniciou o projeto de realizar atividades nas escolas, tendo visitado instituições de ensino localizadas nos municípios de Ananás, Miracema, Riachinho, Rio dos Bois, Lizarda, Aparecida do Rio Negro, Pedro Afonso e Fátima, dentre outras. A ideia surgiu a partir da necessidade de promover um maior incentivo à leitura.


Avaliando o resultado dos trabalhos realizados no ano passado, o professor Albeirice falou da satisfação e da alegria em poder contribuir com a evolução intelectual e humana dos estudantes. “No ano passado, chegamos a visitar até três escolas por semana e, além das palestras, foi possível editar diversos livros e, nestes, faço homenagens a essas escolas e aos alunos, com a publicação de fotos da unidade escolar e dos estudantes e também da história da instituição de ensino. Foram publicados, ainda, diversos prefácios, posfácios e ‘orelhas’ produzidos por professores dessas Escolas”, explicou.


“Na palestra, mostramos que a leitura pode libertar de fato e ajudar os alunos a vencer na vida, desde que se planeje e se tenha força de vontade. Falo para eles que vencer na vida é também ter a felicidade de alcançar a independência financeira”, explicou. Nas conversas com os estudantes, Pedro Albeirice descreve sua história de vida, como um aluno de escola pública que venceu na vida. “Quem lê tem muito mais chances de obter êxito em tudo”. Este é o conselho que prevalece em suas palestras.


Livros


Pedro Albeirice visitou, no ano passado, 16 escolas. Neste ano, ele está agendando com as unidades escolares e elaborando um roteiro para os próximos seis meses. Para realizar esse projeto, ele destaca o apoio da editora Veloso, de Gurupi.


O escritor é autor de 25 livros, entre eles: Floripa Desmanchando no Ar, com ensaios; Versos do Tocantins e Outros Encantos, com poemas; Esse Gênio chamado Lobato, com artigos sobre o escritor; e Morte no Atlântico Sul, novela paradidática.


Participação de professores e alunos


A professora de língua portuguesa da Escola Paroquial São Pedro, localizada em Ananás, Juliane Pereira Sales, fez o prefácio do livro Floripa Desmanchando no Ar. Ela explicou que são cinco capítulos, com análises de obras literárias. O escritor reservou um espaço na obra para retratar a Escola Paroquial São Pedro. “São duas páginas que trazem um resumo sobre a instituição de ensino e fotografias”, contou Juliane. 


A estudante Ruanda Cássia Castro Teixeira, 14 anos, apresentou a resenha do livro ‘Morte no Atlântico Sul’. “Foi muito bom participar desse trabalho. É um incentivo à leitura. Lendo o livro aprendi sobre a região Sul do país, sobre a Guerra das Malvinas. Além disso, treinamos nossa escrita e ampliamos a leitura”, ressaltou.


 


 


Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do Agência Tocantins no (63) 9 8500-8112

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
RAPIDINHAS
Postada em 27/01/2019 ás 01h28

Sobre o caso dos vereadores. Não quero entrar na questão de culpa ou inocência, até porque não cabe a mim esse julgamento, jogar pedra em quem está caído é muito fácil, e se tratando de amigos, um ato de covardia.

Vi no dia de ontem uma enxurrada de xingamentos contra eles, até de pessoas que já foram ajudadas por algum deles; deixo claro, não estou fazendo uma defesa dos supostos atos cometidos, mas quero exaltar o valor empatia, já pensou se fosse um de nós no lugar deles? Já pensou nossa família sofrendo com seu ente querido preso e ainda tendo de suportar essa enxurrada de xingamentos? Vou repetir o que falei acima: jogar pedra em quem está caído é fácil, e se tratando de um amigo, um ato de covardia.

A exposição de suas prisões trouxe sofrimento não só à eles que agora têm que ficar em uma cela de prisão, mas também aos seus familiares. Eles não mereciam passar pelo que passaram, apesar dos pesares, e antes de lançarmos um juízo de valor sobre o caso devemos saber que até agora eles são inocentes até que se prove o contrário, ainda não há um julgamento das autoridades competentes, eles são suspeitos? Sim, mas essa suspeita não nos dar o direito de condená-los. Esse senso de justiça desmedido e irracional não cabe, ou não deveria caber, em nossos dias.

Fica aqui minha solidariedade aos amigos: Antônio Feitosa, Antônio Barbosa, Antônio Queiroz, Ângela do Rapadura, Marcos da Igreja, Luizinha do Itamar, Neguin da Civil, Nildo Lopes, Ozeas Gomes e Vaguin.

 

Keops Mota

Postada em 17/01/2019 ás 15h53

A pergunta que se faz na capital é: quem é mesmo o governador do Tocantins?. Com o protagonismo exacerbado de Wanderlei Barbosa, Mauro Carlesse foi jogado ao ostracismo, lembrado apenas quando ocorre as  inúmeras trapalhadas do governo, onde o povo cai em cima dele com todo tipo de adjetivos, quando, na verdade, o governador de fato é Wanderlei Barbosa. Carlesse é o dono da caneta, mas só escreve o que é ditado por Wanderlei.

Keops Mota

Postada em 31/12/2018 ás 16h00

019 está chegando, e com ele vem também a incerteza de um governo que começou errado (pau que nasce torto nunca se endireita, já disse "cumpade" Washington) com tentativas de obstrução de justiça, aparelhamentos, escândalos e investigações, o que pode tirar do tocantinense a esperança de um ano feliz.

O cenário que se desenha com o governo carlesse é tenebroso, nada auspicioso. Podemos estar entrando (Deus permita que não) no pior momento de nossa história. O viés autoritário desse governo pode se elevar à níveis assustadores. Não tenha isso como um escrito de quem torce pelo pior, mas de um tocantinense preocupado com o futuro. Deus nos proteja.

Postada em 23/12/2018 ás 00h49

O Natal está chegando, e que com ele também venham a união, a paz, a alegria e o gozo de estarmos reunidos com nossa família comemorando o nascimento do maior homem da história: Cristo. Que cada pessoa  deixar brotar em seu coração a semente da paz, plantada pelo ilustre aniversariante. Boas festas. São os votos de: 

 

Keops Mota/Corespondente Agência Tocantins

Postada em 24/11/2018 ás 14h37

A coisa está ficando insustentável. Com o governo sofrendo investigações e seus aliados envolvidos em escândalos que vai de depósito ilegal de resíduos hospitalares à apologia à pedófilia, a única saída possível e honrosa diante de tanto descalabro, que só tende a aumentar, é a cassação.

Não podemos estar sob as ordens de um governo que está moralmente abaixo de nós. As denúncias de obstrução de Justiça, concessão de contrato sem licitação para uma empresa da família de um aliado que culminou em um crime ambiental e denúncia por supostos crimes eleitorais já são fatos suficientes para que não tenhamos esse governo como legítimo.

 

Keops Mota

Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados - Agência Tocantins - Contatos: (63) 98500-8112 – Email: [email protected]