domingo, 17 de fevereiro de 2019
63 98500 8112
Cidades

21/01/2019 às 12h11

889

Redação

Palmas / TO

Saiba quais são os critérios de habilitação e priorização para concorrer às próximas habitações sociais que serão sorteadas em Palmas
A Prefeitura já iniciou o processo de seleção das primeiras 1.500 unidades que serão entregues ainda em 2019 nos Residenciais Jardim Vitória I e II e Recanto das Araras I.
Saiba quais são os critérios de habilitação e priorização para concorrer às próximas habitações sociais que serão sorteadas em Palmas
Divulgação

Atualmente Palmas possui aproximadamente 2.240 unidades habitacionais em obras e que contemplarão ao longo de 2019 e 2020 famílias com o sonho da casa própria, financiados pelo programa federal Minha Casa Minha Vida.


A Prefeitura já iniciou o processo de seleção das primeiras 1.500 unidades que serão entregues ainda em 2019 nos Residenciais Jardim Vitória I e II e Recanto das Araras I. Participarão do sorteio que definirá os beneficiários destes empreendimentos famílias inscritas no cadastro habitacional do Município que atendam aos critérios previstos para sua habilitação, seleção e priorização. Todos eles estão descritos no Decreto Municipal nº º 1.681/2019 publicado no Diário Oficial do Município (DOM) nº 2.164, do último dia 18 de janeiro de 2019. Com a divulgação dos critérios, posteriormente será divulgada a data dos sorteios.


Mas quais são os critérios? Serão contempladas para esses residenciais famílias com renda máxima bruta de até R$ 1.800,00, que não tenham habitação própria em Palmas e que não tenham sido contemplados com projeto habitacional em outra cidade. No entanto, é importante o cidadão ter ciência de que existem critérios de priorização que dão mais chances de contemplar famílias em maior situação de vulnerabilidade.


Aquelas famílias que habitam área de risco, que possuem integrante com necessidades especiais e em que a mulher é chefe de família atendem aos critérios de priorização nacionais. Residir há pelo menos quatro anos em Palmas, ter um membro com doença crônica que o incapacite para o trabalho e ser contemplada pelos programas sociais Bolsa Família ou Benefício de Prestação Continuada (BPC) são critérios locais. Desta forma, são considerados de zero até seis desses critérios para priorizar na seleção famílias vulneráveis inscritas no cadastro habitacional do Município.


Quem participa?


No entanto, ao contrário do que muitos pensam, a Secretaria da Habitação, responsável pela gestão de projetos habitacionais sociais, não exclui do cadastro aquelas que não se encaixam no perfil de projetos em andamento. Na verdade, à medida que novos projetos são aprovados são realizados sorteios entre todos os inscritos no cadastro que se encaixam nos critérios de cada novo projeto.


Sobre as famílias que estão dentro do perfil atendido pelos empreendimentos Residenciais Jardim Vitória I e II e Recanto das Araras I, cuja seleção já se iniciou, aquelas que não atendam a todos os critérios de priorização também não são excluídas do sorteio.


“Não se considera tempo de espera ou uma fila. A família contemplada tem que atender aos critérios daquele projeto. Primeiro há os sorteios de 5% das unidades disponibilizadas entre aquelas cujo titular é deficiente físico, outro sorteio com 5% das unidades para titulares idosos”, explica o secretário municipal de Habitação, Fábio Frantz. As demais unidades são divididas em três grupos de maneira que 60% das unidades são sorteadas entre as famílias que atendam de quatro a seis critérios, 25% sejam sorteadas entre as famílias que atendam de dois a três critérios e 15% das unidades são sorteadas entre aquelas que não atendam a nenhum critério ou apenas um deles.


“Esses critérios não são excludentes, quem não atende nenhum também participa. Obviamente quem atende a mais critérios concorre a mais unidades porque o sorteio leva em consideração as condições sociais das família. Então, aquelas que têm a maior vulnerabilidade concorrem por mais unidades habitacionais, por consequência”, frisa Frantz.


Cadastro habitacional


Vale lembrar que, com constantes projetos em andamento na Secretaria de Habitação, mesmo famílias que não estão hoje dentro dos critérios de habilitação para as unidades habitacionais que serão entregues em 2019 podem se inscrever no cadastro habitacional do Município de Palmas como candidatas a projetos habitacionais futuros. Isso significa que qualquer família que reside em Palmas e não tem moradia própria pode solicitar sua inclusão no cadastro habitacional em uma unidade do Resolve Palmas e aguardar projetos futuros.


Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do Agência Tocantins no (63) 9 8500-8112

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
RAPIDINHAS
Postada em 27/01/2019 ás 01h28

Sobre o caso dos vereadores. Não quero entrar na questão de culpa ou inocência, até porque não cabe a mim esse julgamento, jogar pedra em quem está caído é muito fácil, e se tratando de amigos, um ato de covardia.

Vi no dia de ontem uma enxurrada de xingamentos contra eles, até de pessoas que já foram ajudadas por algum deles; deixo claro, não estou fazendo uma defesa dos supostos atos cometidos, mas quero exaltar o valor empatia, já pensou se fosse um de nós no lugar deles? Já pensou nossa família sofrendo com seu ente querido preso e ainda tendo de suportar essa enxurrada de xingamentos? Vou repetir o que falei acima: jogar pedra em quem está caído é fácil, e se tratando de um amigo, um ato de covardia.

A exposição de suas prisões trouxe sofrimento não só à eles que agora têm que ficar em uma cela de prisão, mas também aos seus familiares. Eles não mereciam passar pelo que passaram, apesar dos pesares, e antes de lançarmos um juízo de valor sobre o caso devemos saber que até agora eles são inocentes até que se prove o contrário, ainda não há um julgamento das autoridades competentes, eles são suspeitos? Sim, mas essa suspeita não nos dar o direito de condená-los. Esse senso de justiça desmedido e irracional não cabe, ou não deveria caber, em nossos dias.

Fica aqui minha solidariedade aos amigos: Antônio Feitosa, Antônio Barbosa, Antônio Queiroz, Ângela do Rapadura, Marcos da Igreja, Luizinha do Itamar, Neguin da Civil, Nildo Lopes, Ozeas Gomes e Vaguin.

 

Keops Mota

Postada em 17/01/2019 ás 15h53

A pergunta que se faz na capital é: quem é mesmo o governador do Tocantins?. Com o protagonismo exacerbado de Wanderlei Barbosa, Mauro Carlesse foi jogado ao ostracismo, lembrado apenas quando ocorre as  inúmeras trapalhadas do governo, onde o povo cai em cima dele com todo tipo de adjetivos, quando, na verdade, o governador de fato é Wanderlei Barbosa. Carlesse é o dono da caneta, mas só escreve o que é ditado por Wanderlei.

Keops Mota

Postada em 31/12/2018 ás 16h00

019 está chegando, e com ele vem também a incerteza de um governo que começou errado (pau que nasce torto nunca se endireita, já disse "cumpade" Washington) com tentativas de obstrução de justiça, aparelhamentos, escândalos e investigações, o que pode tirar do tocantinense a esperança de um ano feliz.

O cenário que se desenha com o governo carlesse é tenebroso, nada auspicioso. Podemos estar entrando (Deus permita que não) no pior momento de nossa história. O viés autoritário desse governo pode se elevar à níveis assustadores. Não tenha isso como um escrito de quem torce pelo pior, mas de um tocantinense preocupado com o futuro. Deus nos proteja.

Postada em 23/12/2018 ás 00h49

O Natal está chegando, e que com ele também venham a união, a paz, a alegria e o gozo de estarmos reunidos com nossa família comemorando o nascimento do maior homem da história: Cristo. Que cada pessoa  deixar brotar em seu coração a semente da paz, plantada pelo ilustre aniversariante. Boas festas. São os votos de: 

 

Keops Mota/Corespondente Agência Tocantins

Postada em 24/11/2018 ás 14h37

A coisa está ficando insustentável. Com o governo sofrendo investigações e seus aliados envolvidos em escândalos que vai de depósito ilegal de resíduos hospitalares à apologia à pedófilia, a única saída possível e honrosa diante de tanto descalabro, que só tende a aumentar, é a cassação.

Não podemos estar sob as ordens de um governo que está moralmente abaixo de nós. As denúncias de obstrução de Justiça, concessão de contrato sem licitação para uma empresa da família de um aliado que culminou em um crime ambiental e denúncia por supostos crimes eleitorais já são fatos suficientes para que não tenhamos esse governo como legítimo.

 

Keops Mota

Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados - Agência Tocantins - Contatos: (63) 98500-8112 – Email: [email protected]