Quarta, 20 de março de 2019
63 9 8500 8112
Política

12/03/2019 às 16h51

737

Redação

Augustinópolis / TO

Os deputados do Bico: Dos 45 mil aos 600 mil. Quais acusações pesam sobre Jair Farias.
Jair Farias é um personagem político da região do Bico do Papagaio, extremo norte do Estado do Tocantins. Nascido na cidade cearense de Monsenhor Tabosa, Jair Farias começou a militar na política em 1982 no MDB
Os deputados do Bico: Dos 45 mil aos 600 mil. Quais acusações pesam sobre Jair Farias.
Jair Farias - deputado estadual

Ser político hoje em dia é sinônimo de corrupção, os inúmeros casos divulgados em sites e jornais depositaram no eleitor uma descrença na política e nos políticos, a prova disso é o alto índice de votos brancos, nulos e abstenções que vem aumentando a cada eleição, reflexo dessa descrença popular na política. O Estado do Tocantins não está livre dessa descrença. Vereadores, prefeitos, deputados, senadores e governador são acusados de vários tipos de corrupção. Por isso o Agência Tocantins inicia uma série onde elencamos algumas acusações que pesam sobre os deputados estaduais eleitos na última eleição. O intuito não é aumentar essa descrença, lógico que pode acontecer,  mas a real intenção é fazer você, leitor, saber quais os processos que seu deputado enfrenta.  Começaremos pelo Bico do Papagaio, e o primeiro na lista é o deputado sitionovense Jair Farias. Vamos lá.


Jair Farias é um personagem político da região do Bico do Papagaio, extremo norte do Estado do Tocantins. Nascido na cidade cearense de Monsenhor Tabosa, Jair Farias começou a militar na política em 1982 no MDB. Eleito Vice-prefeito e prefeito por três vezes na pequena cidade de Sítio Novo Jair enfrentou sua primeira disputa estadual no ano de 2018, elegendo-se Deputado Estadual pela Mobilização Democrática Brasileira (MDB).  Durante sua vida política Jair Farias viu-se envolvido em acusação de sacar R$ 45 mil reais da conta da prefeitura em época eleitoral sem prestar conta do saque realizado no ano de 2017. Na época Jair Farias era secretário de finanças da prefeitura na gestão do prefeito Alexandre Farias, seu sobrinho, e o episódio levou o MP (Ministério Público) a pedir o bloqueio dos bens do atual Deputado Estadual. O processo ainda está correndo na justiça e a qualquer momento terá seu desenrolar.


Outra acusação que pesa sobre Jair Farias é de que teria recebido durante a eleição de 2018 uma verba o fundo espacial de campanha. O valor que, segundo o MPE (Ministério Público Eleitoral), teria entrado de forma indevida nas contas de Farias soma R$ 600 mil reais. O valor deveria ter sido aplicado somente em campanhas femininas, no entanto, teria entrado na conta de Farias de forma indevida, segundo Procurador Eleitoral Àlvaro  Manzano, isso levou ao pedido de cassação do diploma de Jair Farias.  Comprovado o ilícito o deputado terá seu diploma cassado, o que não incorre em perda de mandato, mas poderá ficar inelegível por no mínimo cinco anos. Jair foi eleito nas últimas eleições com 22.952 votos; o quinto mais votado do estado.  


 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Falando sobre política

Falando sobre política

Blog/coluna Aqui você encontra tudo sobre política
RAPIDINHAS
Postada em 19/03/2019 ás 15h24

A tentativa do deputado Jair Farias de tirar vantagem política nas emendas do senador Eduardo Gomes é digna de um político sem expressão, que vive às sombras de outro. Em 49 dias de mandato tem desempenhado um papel abaixo do esperado. Tem se dedicado a propagar em redes sociais requerimentos que não passarão do Facebook e das linhas de transmissão do whatssap.

 

Keops Mota

Postada em 20/02/2019 ás 17h47

UM DESASTRE IMINENTE EM PALMAS

Após a ocorrência de um desastre, seja ele causado pelas forças da natureza ou pela ação humana, sempre aparecem colunistas, especialistas e formadores de opinião pra dizer que a tragédia já dava sinais de acontecer e que poderia ter sido evitada. Todavia, esses formadores de opinião dificilmente alertam a população antes do fato. A própria população afetada é que denuncia o descaso com os riscos, sendo ignorada na maioria das vezes.

Foi assim nos rompimentos das barragens em Minas Gerais, como também nos casos dos deslizamentos de terra, no incêndio do alojamento do Flamengo e em tantos outros desastres que ocorreram no Brasil.

E em Palmas a história se repete, pois está em curso um outro tipo de desastre e esses formadores de opinião mais uma vez dão de ombros frente ao óbvio, mesmo vendo as pessoas emitirem o alerta todos os dias nas redes sociais, nas entrevistas de de TV e em suas reclamações nos bairros e nas ruas.

É o desastre chamado gestão Cinthia Ribeiro. Sim, uma gestão incompetente à frente de uma Capital com 300 mil habitantes pode prejudicar a população muito mais que um incêndio em um prédio ou um desastre natural.

O cenário da capital é de abandono em meio ao matagal nos bairros, as ruas esburacadas, os serviços públicos com queda de qualidade e a saúde jogada às traças, onde o único morador confortável na cidade responde por Aedes Aegypti.

E nessa marcha Cinthia Ribeiro que já é considerada no meio político a pessoa mais ingrata e infiel ao seu partido da história do Tocantins, perdendo inclusive, em materia de traição para Marcelo Miranda, pois este já havia sido eleito pelo voto popular quando empinou a carroça contra Siqueira Campos, agora caminha pra ser a pior gestora que a população de Palmas já conheceu.

Desafortunadamente, os prejuízos materiais e os danos humanos já começaram ser contabilizados e podem evoluir para consequências irreparáveis devido à mà gestão.

Enquanto isso, aqueles colunistas, especialistas e formadores de opinião se calam de 30 mil formas diferentes, invocando até questões de gênero para defender a gestora que pagou com traição a quem lhe deu a mão e está arrasando com a Cidade.

Dessa forma, a Capital antes chamada de “Sua Linda”, levará um tempo depois de 2020 para recuperar sua autoestima e superar o desastre Cinthia Ribeiro.

 

Por Iranilto Sales

Postada em 27/01/2019 ás 01h28

Sobre o caso dos vereadores. Não quero entrar na questão de culpa ou inocência, até porque não cabe a mim esse julgamento, jogar pedra em quem está caído é muito fácil, e se tratando de amigos, um ato de covardia.

Vi no dia de ontem uma enxurrada de xingamentos contra eles, até de pessoas que já foram ajudadas por algum deles; deixo claro, não estou fazendo uma defesa dos supostos atos cometidos, mas quero exaltar o valor empatia, já pensou se fosse um de nós no lugar deles? Já pensou nossa família sofrendo com seu ente querido preso e ainda tendo de suportar essa enxurrada de xingamentos? Vou repetir o que falei acima: jogar pedra em quem está caído é fácil, e se tratando de um amigo, um ato de covardia.

A exposição de suas prisões trouxe sofrimento não só à eles que agora têm que ficar em uma cela de prisão, mas também aos seus familiares. Eles não mereciam passar pelo que passaram, apesar dos pesares, e antes de lançarmos um juízo de valor sobre o caso devemos saber que até agora eles são inocentes até que se prove o contrário, ainda não há um julgamento das autoridades competentes, eles são suspeitos? Sim, mas essa suspeita não nos dar o direito de condená-los. Esse senso de justiça desmedido e irracional não cabe, ou não deveria caber, em nossos dias.

Fica aqui minha solidariedade aos amigos: Antônio Feitosa, Antônio Barbosa, Antônio Queiroz, Ângela do Rapadura, Marcos da Igreja, Luizinha do Itamar, Neguin da Civil, Nildo Lopes, Ozeas Gomes e Vaguin.

 

Keops Mota

Postada em 17/01/2019 ás 15h53

A pergunta que se faz na capital é: quem é mesmo o governador do Tocantins?. Com o protagonismo exacerbado de Wanderlei Barbosa, Mauro Carlesse foi jogado ao ostracismo, lembrado apenas quando ocorre as  inúmeras trapalhadas do governo, onde o povo cai em cima dele com todo tipo de adjetivos, quando, na verdade, o governador de fato é Wanderlei Barbosa. Carlesse é o dono da caneta, mas só escreve o que é ditado por Wanderlei.

Keops Mota

Postada em 31/12/2018 ás 16h00

019 está chegando, e com ele vem também a incerteza de um governo que começou errado (pau que nasce torto nunca se endireita, já disse "cumpade" Washington) com tentativas de obstrução de justiça, aparelhamentos, escândalos e investigações, o que pode tirar do tocantinense a esperança de um ano feliz.

O cenário que se desenha com o governo carlesse é tenebroso, nada auspicioso. Podemos estar entrando (Deus permita que não) no pior momento de nossa história. O viés autoritário desse governo pode se elevar à níveis assustadores. Não tenha isso como um escrito de quem torce pelo pior, mas de um tocantinense preocupado com o futuro. Deus nos proteja.

Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados - Agência Tocantins - Contatos: (63) 98500-8112 – Email: [email protected]